quarta-feira, 15 de junho de 2011

Estou tão feliz...

Para quem não sabe, eu vivo sozinha com o meu filhote desde sempre e sem qualquer acompanhamento do pai na vida do Rafa.
Depois de muito pensar decidi que estava na altura de tratar da regulação do poder paternal e fiz esse requerimento. Hoje lá fomos nós ao tribunal e felizmente o pai não se opôs a que eu ficasse com o poder paternal em exclusivo. Estou tão feliz!!!
Apesar de ter ficado registado que ele pode ver o filho e que deve fazer a transferência da pensão de alimentos, não acredito que ele vá cumprir com qualquer destas clausulas. Mas não me imponho contra as visitas entre ambos, pois terão que ser realizadas sempre com a minha presença.
Finalmente tirei um peso de cima.

12 comentários:

  1. Olá

    Já ha muito tempo que vejo o teu blog mas este vai ser o 1º comentario que vou fazer... =)

    Parabens pelo blog gosto muito de o ler e parabens por essa vitória também! =)

    Passa no meu

    Beijos

    ResponderEliminar
  2. Ai que alívio que deves estar a sentir! Ainda bem que tudo correu pelo melhor e que agora tens a certeza de teres o Rafa contigo/para ti, sem receios nem incertezas!


    Bjinhos e muitos parabéns!!

    ResponderEliminar
  3. Venho sempre ver este blog mas acho que nunca comentei. Mas hoje não consigo evitar!

    Ainda bem que conseguiste algo que desejas à muito, ainda bem que ficas assim mais descansada :)

    Beijos e aproveita e festeja :)

    ResponderEliminar
  4. Parabéns! Ainda bem que tiraste esse peso de cima dos ombros. Pelo menos agora o poder está todo contigo.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Conheço alguns casos semelhantes, em que o pai está ausente,como se a criança não existisse. Para eles (pequenotes) não é fácil, acabam por rejeitar o pai, e tentam procurar uma figura paternal no avô, num tio, ou num professor.
    Bem, parabens pela luta. felicidades para os dois!

    ResponderEliminar
  6. que bom ...imagino sim o alívio
    um beijo

    ResponderEliminar
  7. fazes muito bem! e se ele não cumprir podes sempre por novo processo de imcumprimento do poder paternal, e pedir apoio judiciario para pagamento de advogado e de custas judiciais na segurança social, caso seja necessário! ;) força!

    ResponderEliminar
  8. Hoje foi o primeiro dia que vim ao teu blogue, e quanto a este teu post, obviamente que te felicito pela conquista.
    Mas deixa-me dizer-te, e perdoem-me quem não concorda, tens uma sorte fantastica de tomares conta do teu filho sem que o pai queira interferir.
    Eu tenho um filho da idade do teu e estou separada há 2 anos.
    O pai do meu filho tenta interferir em tudo aquilo que eu decido. Se eu decidir que o meu filho vai fazer uma actividade qualquer, tenho que lhe comunicar e ainda assim ele põe todos os entraves possiveis e imaginários. Pk? Porque fui eu que decedi.
    Enfim, parabéns.

    ResponderEliminar
  9. Lisa, deixo-te um conselho: ele TEM obrigação de participar nas despesas do teu filho. Se não o fizer, mete novo processo! E deveria pagar-te retroactivos também. Ele tem de pagar, se não te fizer falta, mete numa conta para o teu filho. Quando ele for para a universidade, ou quando tirar a carta ou assim vai dar jeito. E o teu filho tem direito a esse dinheiro.

    ResponderEliminar